A sociedade brasileira quer gastar bilhões financiando partidos políticos?

0
469

Autor: Sérgio Augusto Costa

Nos tempos do “mensalão”,“petrolão” e atualmente com a operação Lava Jato, era comum primeiramente as investigações policiais para então se chegar aos criminosos, verdadeiros corruptos. Agora, a Câmara dos Deputados acaba de comandar um assalto direto ao erário, aprovando o Projeto de Lei n˚ 5029/2019, chamado de reforma eleitoral, ou seja, legalizou a corrupção.

Consideramos necessária uma reforma política, para moralizar as eleições, e ter um cenário político verdadeiramente democrático e transparente. Porém, os representantes do povo, para isso são eleitos os parlamentares, deveriam aprovar projetos de leis de interesse do cidadão e não legislarem em causa própria, pois, ao aprovarem a malfadada lei, estão ignorando os clamores populares, que são contrários ao fundo eleitoral e a facilitação do caixa 2.

Os partidos políticos são pessoas jurídicas de direito privado e não entidades públicas. O seu registro no Tribunal Superior Eleitoral não desnatura a sua condição de órgão privado que adquire personalidade jurídica quando de sua matrícula no TSE.

O financiamento eleitoral com dinheiro público é um absurdo, causa danos irreparáveis e contínuos à sociedade, pois, retira recursos de fundos vinculados aos serviços públicos essenciais, e aplica para uso e gozo dos políticos profissionais e suas corruptas agremiações.

Pelo texto aprovado pelos deputados, bom salientar que, 05 deputados da bancada amazonense votaram a favor do projeto de lei, o fundo poderá ser usado para serviços de consultoria contábil e advocatícia; pagar juros, multas, débitos eleitorais e demais sanções relacionadas à legislação eleitoral ou partidária; compra ou locação de bens imóveis e móveis, construção de sedes, realização de reformas; e pagamento pelo impulsionamento de conteúdo na internet, incluindo a priorização em resultados de sites de pesquisa.

Chega a ser um deboche a população, tão carente de políticas públicas, o aumento do fundo eleitoral em um momento tão crítico na economia brasileira. Nossos pseudos-representantes não possuem qualquer responsabilidade com seus eleitores ou a sociedade em geral.

Impressiona ainda, a celeridade empreendida ao tema, um projeto aprovado sem um debate público, contrário aos interesses do povo, um verdadeiro retrocesso. As pautas que podem alavancar a economia do país ficam engavetadas, para servirem de moeda de troca quando da aprovação de projetos de lei que somente interessam aos políticos e seus asseclas.

Os bilhões destinados aos partidos e gastos sem controle algum, fazem falta a população, quando observamos enormes filas nos hospitais, falta de merenda nas escolas e na falta de segurança pública. O projeto aprovado, vai na contramão do que a sociedade exige e espera dos deputados federais.

Como bem destacou o douto advogado Modesto Carvalhosa “não há diferença entre os cleptocratas e os assaltantes que estouram os caixas eletrônicos nas cidades brasileiras. São delinquentes do mesmo ramo”.

Esse projeto agora tem como destino o Presidente Bolsonaro, que terá duas opções, a) vetar, atendendo apelo do povo e das entidades da sociedade civil que trabalham incansavelmente pela moralidade das eleições; b) sancionar o Projeto de Lei desejado pela ampla classe política, que busca manter seus redutos eleitorais, as custas do dinheiro público.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui