O exercício da cidadania além do voto

0
394

Qual cidadão cobra a efetivação das promessas de campanha do candidato que votou na última eleição? Quem sabe se o plano de governo apresentado durante a campanha foi cumprido no mandato? Qual de nós já foi a Câmara Municipal e fiscalizou as contas públicas do Executivo? Poucos de nós responderão afirmativamente.

Desconhecemos nossos direitos e as formas de poder ajudar na construção de uma cidade melhor, com políticas públicas de qualidade. Por esses e outros motivos, é que devemos cada dia buscar novos conhecimentos e estimular a conscientização e a participação do cidadão na construção de políticas públicas, tornando-se um cidadão politicamente ativo.

O ponto de partida dessa ideia é propiciar debates sobre cidadania, democracia, participação popular, fiscalização e principalmente educação, promovendo inclusão social e gerando oportunidades de crescimento a toda sociedade.

Mas o que é cidadania? E democracia? Democracia participativa?

Cidadania: A palavra cidadania, nos dias de hoje, traduz a ideia de participação ou atuação em todos os aspectos políticos da sociedade, em especial na construção e usufruto de direitos, o que pressupõe não somente conhecimento sobre o Estado, suas instituições políticas e as leis, mas também a consciência das obrigações.

Todos devem ser tratados igualmente em direitos e em deveres, pois não existe verdadeira cidadania com discriminação. Ser cidadão é, antes de tudo, ter consciência e fazer valer seus direitos e cumprir seus deveres. O cidadão, portanto, é o sujeito de seus direitos.

Ao votar e fiscalizar a atuação dos representantes eleitos – seja no Legislativo ou Executivo – assim como cobrar o respeito a seus direitos, o cidadão estará agindo politicamente.

A cidadania, “definida como a posse de direitos civis, políticos e sociais”, ainda precisa avançar muito no Amazonas, especialmente em Manaus, porque ainda existe miséria, faltam serviços essenciais à população, como saneamento básico, e convive-se com carência de saúde pública e analfabetismo funcional, entre outros fatos.

Já o termo Democracia: é o regime de governo participativo que tem como pressuposto a liberdade e a igualdade política. Nela o cidadão tem o poder de tomar decisões políticas, indiretamente, por meio dos seus representantes, eleitos pelo voto (universal e secreto), ou diretamente, por intermédio de plebiscito (povo consultado antes da aprovação da lei), de referendo (povo consultado após aprovação da lei) e de iniciativa popular (propor projeto de lei).

A chamada democracia participativa está exposta no Artigo 1˚, Parágrafo Único da CF, que assim declara “Todo poder emana do povo, que o exerce indiretamente por seus representantes eleitos, ou diretamente através de plebiscito, referendo, iniciativa popular e outras ferramentas que apresentadas pela legislação.

Como de conhecimento, desde 2013 a população vem se mobilizando nas ruas, no entanto, não basta apenas o cidadão ir a uma manifestação e depois volta para casa, pois dessa forma aqueles que estão no poder irão sobreviver a tudo isso. É preciso lutarmos diariamente. Os que estão no poder não suportam mesmo é pressão popular constante e crescente.

Portanto, os cidadãos podem e devem se organizar e realizar ações que fortaleçam seus Municípios no caminho do controle social, promovendo fiscalizações, palestras, participando de audiências públicas, sugerindo pautas no orçamento participativo, cobrando dos eleitos os compromissos assumidos durante a campanha e combatendo a corrupção em todos os sentidos.

“Não queira resultados diferentes, se suas ações são sempre as mesmas”.

Sérgio Augusto Costa da Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui