Performance Bond: ferramenta essencial ao combate à corrupção

0
529

Os escândalos do “mensalão”, do “petrolão” e todo arcabouço de corrupção exposto pela Operação Lava Jato, desnudou à sociedade as relações promíscuas entre a Administração Pública e as empreiteiras. Apresentou o retrato do Brasil, um paraíso de obras inacabadas ou concluídas em desconformidade com contrato objeto da licitação.

A sociedade abriu os olhos para essa situação perniciosa, ao perceber que a corrupção em nosso país está alicerçada principalmente nos contratos envolvendo as construções de obras públicas, passando a exigir uma postura mais transparente na contratação dos entes públicos, especialmente de obras que, se não solucionarem a questão da corrupção, pelo menos mitigarão seus efeitos.

A Lei de Licitações, sugere, como fórmula anticorrupção, a adoção de seguro-garantia para as obras públicas – que possui como uma de suas modalidades o Performance Bond.

O seguro-garantia tem por finalidade assegurar que um contrato assinado devido a participação em licitação visando a construção, fabricação, fornecimento e prestação de serviços seja devidamente cumprido.

No caso, a empreiteira, após contratar o referido seguro, não concluir a obra no prazo devido ou de forma inadequada, a seguradora deverá promover os meios necessários para que isso ocorra, seja ela própria contratando terceiro que solucione esse problema, seja indenizando o Poder Público, aqui na qualidade de segurado, para que este contrate outra empreiteira para concluir a obra.

Entretanto, apesar das nítidas vantagens desse tipo de seguro, ele é pouquíssimo praticado em território nacional, pois as leis brasileiras não obrigam a administração pública a exigir qualquer garantia na contratação de obra pública. A Lei de Licitações em seu artigo 56, registra ser facultativo tanto por parte do Poder Público exigir ou não a prestação de garantia nas contratações de obras, quanto ao empreiteiro de optar ou não por qualquer modalidade de garantia.

A adoção efetiva e obrigatória do Performance Bond como requisito essencial para as obras públicas, será uma solução para o fim do relacionamento entre Estado e construtoras, que quase nunca visam o interesse público. É um mecanismo que acaba com a relação direta entre empreiteiras e agentes públicos, ao colocar a seguradora para intermediar essa conexão, pois, o lucro da seguradora depende de que a obra seja realizada nos prazos corretos, sem aditamentos, problemas de qualidade.

Em âmbito nacional, tramita o PL n˚ 274/2017, que pretende tornar obrigatório o Performance Bond em contratos com valores iguais ou superiores a dez milhões de reais, com a cobertura do contrato abrangendo sua totalidade.

A iniciativa também poderia ser implementada nas Câmaras Municipais, para que seja obrigatório a utilização do seguro-garantia na execução de contratos públicos de obras e fornecimentos de bens ou serviços.

Ressaltamos, que nem tudo são flores, pois o instituto considera apenas o inadimplemento da empreiteira contratada, e sabemos que grande parte da causa de desiquilíbrio contratual é provocada pelo Estado contratante. Assim, além da obrigatoriedade da ferramenta, cabe providenciar meios e incentivos atraentes para as seguradoras.

Dessa maneira, pela conceituação básica de seguro-garantia, a ideia tem um potencial enorme para mitigar os problemas causados pela corrupção no Brasil, havendo a necessidade urgente viabilizar a correta aplicação desses dispositivos legais.

Consequentemente, a obrigatoriedade Performance Bond em todos os contratos com os entes públicos tem condições de findar o relacionamento pernicioso entre as construtoras e a Administração Pública, encerrando de vez a corrupção entranhada nesse setor e pondo fim a um triste capítulo de nossa história.

Enquanto não tivermos a participação ativa de nossos representantes nos parlamentos, no sentido de dar objetividade e praticidade a leis já existentes, mas nunca cumpridas em sua essência, não teremos um Brasil de Verdade!

Sérgio Augusto Costa da Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui